menu

Em sequestro relâmpago, motorista de app fica trancado no porta-malas enquanto criminosos cometem homicídio em Manaus

Em sequestro relâmpago, motorista de app fica trancado no porta-malas enquanto criminosos cometem homicídio em Manaus Os suspeitos do crime continuam sendo procurados junto ao veículo do motorista. Foto: Eliana Nascimento/G1 AM. Notícia do dia 18/11/2019

Manaus (AM) - Um motorista de aplicativo de 28 anos foi vítima de um sequestro relâmpago na tarde deste sábado (16) no bairro Flores, Zona Centro-Sul de Manaus, logo após deixar um passageiro. Segundo informações da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), o homem foi colocado dentro do porta-malas e os criminosos seguiram para um assassinato no bairro da Compensa, na Zona Oeste.

 

O caso ocorreu após o motorista deixar um passageiro na Avenida Torquato Tapajós e ser abordado por dois homens armados e colocado dentro do porta-malas. A polícia investiga se o passageiro não possui relação com o caso.

 

Em seguida, os criminosos foram em direção ao bairro da Compensa, na Zona Oeste da capital. Ao chegarem no local, encapuzados, os suspeitos desceram do veículo, foram em direção ao bar em que estava um entregador de comidas e o assassinaram.

 

"Os assassinos fizeram o roubo desse veículo exatamente para executar a vítima. Há a confirmação das armas, pois o motorista informou que foi assaltado com uma pistola e um 38. E, no local do crime, encontramos munições de 38 e de pistolas", explicou o delegado plantonista da DEHS, Fábio Silva.

 

Após a ação criminosa, os suspeitos fugiram e o motorista foi abandonado em via pública nas proximidades do Tarumã, Zona Oeste.

 

"O motorista contou que ouviu os disparos [do homicídio] e discussões dentro do carro", completou.

 

Após ser abandonado pelos suspeitos, o motorista foi encaminhado para a Delegacia Especializada em Roubos, Furtos de Veículos (Derfv), onde o roubo do carro foi registrado.

 

Os suspeitos do crime continuam sendo procurados junto ao veículo do motorista.

 

Por Eliana Nascimento, G1 AM