menu

Boi Caprichoso exalta luta dos povos amazônicos na segunda noite do Festival de Parintins

Resistência dos povos tradicionais norteou apresentação do azul e branco.

Boi Caprichoso exalta luta dos povos amazônicos na segunda noite do Festival de Parintins FOTO: Bruno Zanardo / Secom Notícia do dia 26/06/2022

O boi-bumbá Caprichoso foi o primeiro a se apresentar no sábado (25), segunda noite do 55º Festival Folclórico de Parintins. Na arena do Bumbódromo, o Touro Negro desenvolveu o subtema “Amazônia-Aldeia: o brado do povo”, que faz parte da temática “Amazônia: Nossa luta em poesia”. O espetáculo retratou a pluralidade e resistência dos povos e comunidades tradicionais da Amazônia.

 

Entre os integrantes do elenco azul e branco, o sentimento foi de emoção e gratidão, por poder estar vivenciando o festival do reencontro. 

 

"A emoção é natural, é de um encontro, depois de dois anos. Esse reencontro é para lavar a alma, para emocionar de verdade, aflorar a sensibilidade da gente. E o Caprichoso, se Deus quiser, vai ser campeão", disse Júnior Paulain, animador do Caprichoso, que também já foi apresentador e amo do boi.

 

O compositor do boi azul, Juarez Lima Filho, que perdeu a mãe e outros familiares para a Covid-19, também se emocionou com a retomada do festival. "É um prazer novamente viver essa festa, esse festival. É um festival diferente, sobretudo da renovação da fé", afirmou.

 

"A gente está aqui também por eles em memória, em especial a minha mãe querida, que era uma guerreira do galpão do Caprichoso, Irlani Lima. O Caprichoso faz esse resgate de sentimento, de renovação e, sobretudo, da fé", ressaltou Juarez.

 

Apresentação azul - Como Figura Típica Regional (item 15), o Caprichoso apresentou “O Caboclo da Mata”, mostrando a vivência do homem que aprendeu com seus antepassados, a cuidar da floresta. No item 17 - Lenda Amazônica, “Os Trilhos da Morte” trouxeram a narrativa da construção da ferrovia Madeira-Mamoré (1907 a 1912). Já no ritual (item 4), a história da unificação do povo Wayana-Apalai, que habitam a fronteira entre o Brasil e o Suriname, foi retratada na arena.

 

No momento tribal, o Caprichoso reverenciou mulheres guerreiras como Tuíra Kayapó, Célia Xacriabá, Sônia Guajajara, Sâmela Sateré, Alessandra Kabá, Teporí Yawalapiti e a cunhã-poranga Marciele Albuquerque Munduruku.