menu

História de luta e coragem da primeira mulher presidente da Câmara Municipal de Parintins esteve na pauta da vereadora Márcia Baranda (MDB), na sessão desta terça-feira (22)

A indicação foi aprovada pela Câmara Municipal.

 História de luta e coragem da primeira mulher presidente da Câmara Municipal de Parintins esteve na pauta da vereadora Márcia Baranda (MDB), na sessão desta terça-feira (22) FOTO: Simone Brandão Notícia do dia 22/02/2022

Márcia Baranda indicou a Prefeitura de Parintins a construção de um Centro Educacional Infantil de Referência que atenda os bairros Paulo Corrêa, Itaúna II e adjacências, a ser construído e que receba o nome da ex-vereadora e educadora Geminiana Campos Bulcão Bringel.

 

A vereadora fez sua justificativa relatando a história da professora Geminiana que nasceu em Parintins no início da década de 1920 e ficou conhecida na história da cidade como símbolo de coragem e convicção política.

 

Ela atuou como professora e supervisora escolar e em 1964 iniciou sua atuação na carreira política elegendo-se vereadora, pelo MDB, tornando-se presidente da Câmara Municipal. Foi a primeira mulher, a exercer esse cargo na cidade de Parintins.

 

Márcia destacou a grande mulher que contribuiu com mudanças efetivas em vários setores da sociedade, trazendo um diferencial: a competência em lidar com o profissionalismo e a vida familiar. Geminiana faleceu no dia 14 de janeiro de 2009.

 

“Hoje somos gratos a tantos momentos históricos importantes vividos pela professora, que foi autora do projeto que deu o Título de Cidadão Parintinense ao primeiro bispo da cidade, Dom Arcângelo Cerqua e aprovou o ato de criação do Serviço Autônomo de Água e Esgoto – Saae”, disse a parlamentar.

 

Geminiana foi agraciada com a medalha de Reconhecimento Legislativo Raimundo Almada e deu grande contribuição para a criação da Escola Pestalozzi, tendo integrado a Diretoria da Unidade Educacional de Parintins, no período de 1983 a 1993.

“A educadora é merecedora da homenagem pela contribuição dada à população parintinense e por toda sua história de vida”, finalizou Márcia.