menu

Governo do Estado fecha 2020 com investimento em mais de 800 projetos artísticos no Amazonas

Fomento de R$ 38 milhões repassados pelo Governo Federal, por meio da Lei Aldir Blanc, alcança mais de 30 mil pessoas da classe artística

Governo do Estado fecha 2020 com investimento em mais de 800 projetos artísticos no Amazonas Foto: Roberto Carlos/Secom Notícia do dia 15/12/2020

Da Redação

Manaus/AM - Com um planejamento estratégico em um ano de pandemia, a Secretaria de Cultura e Economia Criativa fechou o ano de 2020 com mais de 800 projetos contemplados em editais, alcançando direta e indiretamente mais de 30 mil pessoas, sejam artistas, produtores e membros da cadeia produtiva cultural. O balanço foi apresentado nesta segunda-feira (14/12) em coletiva de imprensa.

 

O investimento em projetos tanto da capital quanto do interior faz parte da iniciativa de fomento do Governo Federal na quantia de R$ 3 bilhões para os estados, por meio da Lei Aldir Blanc, que dispõe sobre ações emergenciais destinadas ao setor cultural. No Amazonas, o repasse ao Governo foi superior a R$ 38 milhões.

 

O valor, conforme explicou o secretário Marcos Apolo Muniz, é calculado a partir da soma das ações do Auxílio Emergencial de R$ 600 para artistas do Amazonas e de três editais de atendimento a projetos artísticos, culturais e de economia criativa e solidária: “Prêmio Feliciano Lana” (R$ 32 milhões), “Prêmio Equipa Cultura” (R$ 1 milhão) e “Prêmio Encontro das Artes” (R$ 6,3 milhões), envolvendo tanto iniciativas da capital quanto de municípios do Estado.

 

O secretário de Cultura e Economia Criativa destaca que os três editais somam mais de 800 projetos agraciados pelo Governo do Estado, sendo 531 pelo Prêmio Feliciano Lana; 242 do Prêmio Encontro das Artes; e 32 projetos pelo Prêmio Equipa Cultura. Os pagamentos aos projetos selecionados estão em fase de execução e devem seguir até janeiro de 2021, no caso da prorrogação dos editais.

 

“Esses projetos atingem aproximadamente 16 mil artistas diretamente. A gente compreende que vai chegar a mais de 30 mil pessoas indiretamente porque tem projetos que envolvem quase 100 pessoas, outros são um pouco menores”, explicou Marcos Apolo.

 

Ainda segundo o secretário, o mapeamento da cadeia produtiva cultural realizado em 2020 foi algo que permitiu potencializar ações, como o próprio Natal. “Esse ano percebemos que, por exemplo, a Lei Aldir Blanc atende em sua maioria a classe artística. Quando realizamos uma atividade como é o caso do Natal, nós conseguimos atender técnicos, outros artesãos dessa cadeia produtiva por meio do posicionamento da árvore, da execução do concerto de Natal, entre outras coisas”, acrescentou.

 

Outras ações

Antes da pandemia, a Secretaria iniciou a modernização do sistema de segurança do Teatro Amazonas, bem como manutenções na pintura, telhado, palco e alterações apoiadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

 

Além do investimento por meio editais, a pasta também apoiou projetos aprovados no edital “Fica na Rede Maninho”, iniciativa voltada para conteúdos diversos englobando Artes Cênicas, Música, Artes Visuais, Audiovisual e Literatura. Os links formaram uma programação disponibilizada no Portal da Cultura, TV Encontro das Águas e aplicativo. O ambiente virtual ainda permitiu o acesso da população ao “Cultura Sem Sair de Casa”, reunindo exposições, jogos, vídeos, gincanas e uma série de atividades pela web.

 

O ano de 2020 ainda foi marcado pela distribuição de cestas básicas para famílias de artistas em situação de vulnerabilidade social.