menu

ÁUDIO: torre e piloto discutem emergência antes de avião cair

Piloto pediu a controlador do Aeroporto de Campo de Marte liberação de pista para pouso antes de acidente em que morreu na Zona Norte de SP

ÁUDIO: torre e piloto discutem emergência antes de avião cair Aeronave cai perto do Campo de Marte, na Zona Norte de SP - Foto: Reprodução/Internet Notícia do dia 09/07/2020

Da Redação

São Paulo/SP - Um áudio das conversas da torre de controle do Aeroporto de Campo de Marte, na Zona Norte de São Paulo, divulgado nas redes sociais, revela que o piloto Paulo de Magalhães Pereira avisou que estava com emergência na aeronave minutos antes de cair e morrer na Avenida Braz Leme, ao lado do terminal. (Clique aqui e ouça o áudio)

 

Fontes da Aeronáutica apontam que o áudio corresponde ao momento do acidente.

 

O avião, um bimotor de modelo BE-58, prefixo PR-OFI, vinha de Ubatuba e apresentou problemas ao tentar fazer o pouso por volta das 18h de quarta-feira (8). Apenas o piloto estava a bordo e acabou morrendo.

 

Na gravação é possível ouvir o piloto envolvido na tragédia pedindo ao controlador de voo do Campo de Marte a liberação de uma pista. O controlador questiona se ele irá optar pela aproximação pela direita ou pela esquerda.

 

O controlador também avisa outras aeronaves que se aproximam do aeroporto, como o Águia 4, helicóptero da Polícia Militar, sobre a chegada do avião em emergência, e pede para o helicóptero da PM acelerar o procedimento de pouso para permitir a chegada do avião em pane.

 

Em seguida, é possível ouvir uma aeronave próxima do Campo de Marte avisando que o avião em emergência caiu.

 

O local da tragédia foi periciado pela Polícia Civil e pela Aeronáutica.

 

Em nota, a Infraero lamentou o acidente e disse que "os bombeiros do aeroporto foram acionados às 18h14 para prestar os primeiros atendimentos à aeronave".

 

Em nota, a Aeronáutica disse que vai apurar as prováveis causas do acidente e elaborar relatório para "prevenir que novos acidentes com características semelhantes ocorram". Já a Polícia Civil de São Paulo deve investigar as causas e eventuais responsáveis.

 

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) afirma que, de acordo com consulta ao Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB), a aeronave acidentada estava com a documentação válida. O avião não possuía registro para operar táxi aéreo.

 

Um engenheiro civil presenciou a explosão, que ocorreu na pista sentido bairro.

 

"Eu estava dirigindo pela Braz Leme, estava a uns 50 metros do avião quando eu ouvi uma explosão e aí vi uma bola pegando fogo. Quando cheguei mais perto explodiu um pouco mais", conta o engenheiro civil Fausto Batista.

 

Ele chegou a parar o carro e desceu do veículo para tentar ajudar, mas não conseguiu chegar perto da aeronave. "Eu consegui ver um corpo, mas não tinha como chegar perto. Estava pegando fogo ainda e estava muito quente perto. Eu só não entendi se estava decolando ou chegando porque o muro do aeroporto parecia que não foi abalado. Eu parei pra tentar ajudar mesmo, mas não dava", relata.

 

De acordo com uma equipe do Corpo de Bombeiros, o piloto tentou um pouso de emergência por causa de pane no motor. O incêndio foi controlado por volta das 18h40.

 

Fonte: G1